sexta-feira, 19 de maio de 2017

Anatel proíbe a venda de microcelular; aparelho é popular em presídios


Ao postar que um preso bateu o record dos records por estar com 4 celulares no ânus, muitos colegas me questionaram dizendo que eu estava errado, uns diziam que o record era 5, outro 6 e até 8 ítens me disseram que viram entre celular, carregador e fone de ouvido, esse último meus colegas do CDP Suzano disseram que apreenderam o rapaz "aprofundado".

Como os presos estão tentando colocar 4, 5, 6  e até 8, certamente acreditam que menos de 4 celulares não terão problemas nos detectores de metais e com isso estão tentando aumentar a quantidade, achei interessante essa determinação da Anatel.

Fonte: Techtudo.
Anatel proíbe a venda de microcelular; aparelho é popular em presídios

Mercado Livre é alvo da determinação e tem que retirar aparelhos do site imediatamente
Por Raquel Freire, para o TechTudo
19/05/2017 10h19 Atualizado há 41 minutos




A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ordenou que o Mercado Livre retire imediatamente os microcelulares do site. O motivo da determinação é a irregularidade dos aparelhos no Brasil, já que eles não passaram por homologação, nem receberam certificação do órgão. Se a loja online descumprir o ofício, recebido na última quarta-feira (17), poderá ser multada pela agência reguladora.
A íntegra do documento foi disponibilizada pela agência e lista 19 produtos com selos de homologação falsos ou irregulares. O TechTudo checou os links e, até às 20h desta quinta-feira (18), a maioria já havia sido retirada do ar. Apesar disso, uma das páginas ainda estava disponível e foi possível achar facilmente outras com produtos idênticos.
Microcelular: conheça o telefone que está tomando as prisões do Brasil

Anatel proibiu venda de microcelulares no Brasil (Foto: Divulgação/Long-CZ)

O principal problema dos microcelulares é sua entrada maciça nas penitenciárias brasileiras. Esses aparelhos passam despercebidos pelos detectores de metal, já que são muito pequenos e compostos até 99% por plástico.

As funcionalidades restringem-se ao recebimento e envio de ligações e mensagens do tipo SMS. Eles são considerados dumbphones, pois não possuem características de um dispositivo inteligente. Não é possível instalar os mensageiros WhatsApp e Telegram num equipamento deste, por exemplo.

A aparência muitas vezes lembra a de brinquedos, especialmente pela disponibilidade em cores chamativas. Os modelos têm preço médio de R$ 230, mas é possível encontrar microcelulares mais simples por cerca de R$ 70.

A Anatel disse que a ação foi motivada por reportagens divulgadas em jornais impresso e online. A operação foi realizada pela gerência de São Paulo, onde se localiza a sede do Mercado Livre. "A homologação do produto garante ao usuário a qualidade e a segurança do aparelho e é necessária para a comercialização de celulares no país. Produtos identificados no ofício apresentam selos de homologação falsos ou irregulares", informou a agência em nota.

O Mercado Livre informou ao TechTudo que identificou os anúncios denunciados pela Anatel e providenciou sua remoção. "Os anúncios não estão de acordo com os Termos e Condições do site, que determinam que qualquer produto deve cumprir os requisitos legais aplicáveis, no caso a homologação pela agência reguladora, para ser colocado à venda", disse a nota da empresa.

3 comentários:

  1. ufaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  2. Continua disponível no Mercado livre na data de hoje: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-764448843-mini-celular-chaveiro-bmw-_JM

    ResponderExcluir
  3. ah tá...galeria pagé tem de balde e mais barato que no ML.. sabe de nada Anatel...

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.
Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.